Iniciação

 

Na TUOD, as iniciações se realizam basicamente em três níveis: filosófico, mediúnico e ritualístico.

Juntos, promovem o desenvolvimento da percepção e, conseqüentemente, a expansão da consciência espiritual.

O intercâmbio mediúnico, também denominado incorporação, deve ocorrer na dimensão espiritual e não no plano mental do médium, por isso, é necessário trilhar o caminho iniciático.

Somente através dele o médium consegue, durante as incorporações, transcender suas barreiras culturais, psicológicas e emocionais.

A exemplo de processos iniciáticos diferentesdos nossos, salientamos que os estágios iniciáticos são gradativos e reconhecidos à medida que as etapas anteriores são plenamente cumpridas, porém, quando mal interpretadas, as graduações podem estimular equivocadas relações de poder hierárquico entre os médiuns e equívocos dessa natureza comprometem as oportunidades coletivas e limitam excessivamente as atuações dos iniciantes.

São nocivas lacunas geralmente associadas a métodos iniciáticos inadequados.

Por não existir um método iniciático totalmente infalível, é preciso estabelecer critérios.

Não devemos confundir critério com discriminação. Na TUOD, os critérios pré-estabelecidos como normas reguladoras das iniciações fundamentam-se na compatibilidade entre os princípios do iniciante e os do Terreiro e obviamente isto exige um período de carência que corresponde á um ano de preparação filosófica antes da iniciação mediúnica e ritualística propriamente dita.

Neste período, tanto o terreiro como o iniciando reconhecem entre si as reais possibilidades de harmonização e depois deste prazo findado começam as chamadas deitadas e demais obrigações.