REGIMENTO INTERNO

CAPITULO I

DAS REUNIÕES:

Art. 1º – As reuniões ou doutrinas antecederão o culto (sessão) aos sábados
com início às 17:00, ou em dias previamente anunciados.

Art. 2º – Deverá cada médium (membro) comparecer ás reuniões ou doutrinas,
preferencialmente, munidos de canetas ou lápis, blocos de anotação.

Art. 3º – Os médiuns deverão comparecer às reuniões para discussão de
assuntos pertinentes à casa, sempre que necessário, zelando pela pontualidade.

Art. 4º – É dever de todo médium, indiferentemente de cargo, função ou grau
hierárquico, zelar pelo bom andamento da associação, dando sugestões que
julgar útil ao seu bom funcionamento, as quais serão discutidas e avaliadas em
reunião.

Art. 5º – Não é permitida a consulta, leitura, pesquisa de livros, encartes,
publicações espiritas ou afro descendentes sem prévia consulta ou parecer da
casa, assim como acessos à internet em sites que descaracterizem nossa
filosofia.
Parágrafo único – A consulta em sites de internet somente será permitida após
autorização e com prévio conhecimento da casa para que haja filtragem
necessária para determinadas explicações, assuntos não condizentes com nossa
filosofia e linha de trabalho serão ignorados em doutrina.

Art. 6º – Assuntos de caráter particular não deverão ser tratados em reuniões
coletivas, e sim em data e hora previamente marcada pela zeladoria para
preservação da intimidade, ética e disciplina.

Art. 7º – É facultado a casa realizar alterações de horários que julgar
necessários sem prévio aviso ao corpo mediúnico, devendo assim cada membro
respeitar os horários determinados pela casa.

Art. 8º – Faltas e ausências nas reuniões (doutrinas, cultos e quaisquer eventos
deverão ser informados previamente ás pessoas designadas.

Art. 9º – A TUOD se resguarda o direito de cancelar o culto em caso de ausências
iguais ou superiores à 20% do número total de membros;
Parágrafo 1º – Para tanto, as ausências devem ser informadas ao responsável
no máximo até sábado às 10 horas, salvo imprevistos e exceções;
Parágrafo 2º – Em razão dos cultos serem quinzenais, as faltas serão menos
toleradas a partir de 2018.

CAPITULO II

DAS CONSULTAS:

Art. 10º – Todo médium (membro) terá direito a uma consulta mensal com a
entidade de sua preferência, com dia e hora marcados, com no mínimo um dia
de antecedência, não podendo o mesmo ser usado para camboneamento, ou
seja: ou camboneia ou se consulta.

Parágrafo 1º – Serão permitidos consultas e atendimentos aos membros da
casa durante os cultos (sessões ou doutrinas) somente por motivo de extrema
necessidade e que realmente forem diagnosticados como assuntos de “cunho
espiritual”.

Parágrafo 2º – As consultas permitidas aos membros da casa devem ser para
tratarem de desenvolvimento espiritual e todos os assuntos agregados a
dúvidas, problemas de saúde, etc. Demais assuntos serão previamente
analisados para evitar-se de colocar assuntos de cunho físico perante o plano
astral.

Parágrafo 3º – A consulta de que o membro tem direito é somente para seu
próprio uso, sendo intransferível a outras pessoas sem prévia autorização da
casa.

Parágrafo 4º – Em caso de impossibilidade de comparecimento, é dever do
membro avisar com antecedência para que haja o preenchimento do horário
vago.

Art. 11º – Todo trabalho, atendimento ou passe de entidades do corpo
mediúnico, somente será permitido aos médiuns iniciados com a autorização do
guia que estiver presidindo o culto (sessão de trabalho).

Art. 12º – A TUOD não cobra consultas de qualquer espécie, porém deverão ser
agendadas com antecedência para que todos os casos sejam atendidos e
encaminhados ao conhecimento astral.

Parágrafo único: Dentro do desenvolvimento mediúnico, feitura de santo de
cada membro, o procedimento que a zeladoria da casa se permite cobrar é a
confirmação de orixás ou “batida de alobaças”. Estes valores serão previamente
comunicados a cada membro (médium) que for determinado pelo guia chefe da
casa a realizar.

Art. 13º – No intuito de preservar respeito a Umbanda, deverão nossos membros
realizar a devida filtragem antes de expor casos mundanos demais às entidades,
ou casos que dependam apenas de fatores físicos para sua solução.
Art. 14º – Visitas de médiuns ou pessoas com enfermidades astrais de qualquer
origem deverão ser comunicadas com antecedência a Zeladoria.

CAPITULO III

DAS MENSALIDADES:

Art. 15º – As mensalidades serão fixadas e/ou reajustadas pelo Conselho
Diretor, que poderá ouvir o Conselho Consultivo a respeito da viabilidade de
reajuste ou repactuação dos valores, cabendo ao Zelador da Casa a palavra
final.

Art. 16º – As mensalidades deverão ser pagas pontualmente até o 10º dia de
cada mês. Não ocorrendo o pagamento até o dia 15º de cada mês, incidirá sobre
a mesma multa no importe de R$ 10,00.

Art. 17º – Em caso de impossibilidade de pagamento da mensalidade, o membro
(médium), deverá justificar-se a Zeladoria da casa ou a pessoa responsável, de
preferência dentro do prazo de pagamento.

Art. 18º – Em caso de atraso de 03 (três) mensalidades consecutivas sem
justificativa, fica o médium (membro) sujeito a penalização de suspensão dos
trabalhos em geral até regularização dos débitos.
Parágrafo único: Indiferente do motivo justificado, o médium que manter
pendências por um período maior que 10 (dez) meses, será sumariamente
desligado de nossa Casa.

Art. 19º – Os médiuns menores de 18 anos são isentos de mensalidades e rateio
de festividades, porém contribuem com o valor de meia compra coletiva vigente.

Parágrafo 1º – Em casos de festividades da casa, será feito um rateio entre
todos os médiuns para o custeio da mesma, restando claro que o não pagamento
implicará no impedimento do médium à participar do referido evento festivo.

Parágrafo 2º – Não mais será permitido aos médiuns iniciar o próximo ano de
atividades no terreiro com pendências financeiras com a casa, sejam elas de
qualquer espécie (mensalidade, rateio de compras, rifas, festividades,
pagamento de bordados ou tecidos)

CAPITULO IV

DA MANUTENÇÃO / ZELO DA CASA / UNIFORMES:

Art. 20º – Semanalmente serão convocados médiuns para realizarem a limpeza
física e espiritual da TUOD, em turmas pré-agrupadas, com a devida escala de
atividade, pelo Responsável do assunto.

§ 1º havendo impossibilidade de comparecer no seu dia de limpeza, o membro
deverá providenciar seu substituto.

§ 2º Caso o membro determinado na escala não apresente substituto, pagará
multa no valor de 01 (uma) mensalidade vigente que será revertido para o
manejo da TUOD.

§ 3º Médiuns que não quiserem participar da limpeza terão a opção de pagar
um adicional correspondente a 01 (uma) mensalidade, para suprir a ausência.

§ 4º Médiuns que não comunicarem sua ausência ao responsável, tampouco
arranjarem substituto, estarão sujeitos a suspensão de 01 (um) Gira, além da
multa já prevista acima.

Art. 21º – Em dias que antecedem festividades na casa, ficam previamente
convocados todos os membros para auxiliarem na limpeza, decoração,
atendimento aos visitantes e demais necessidades da casa, assim como para
limpeza do terreiro após as festividades.

Art. 22º – Com relação aos uniformes, ao ingressar na casa, o membro receberá
uma camisa modelo polo, na cor branca, bordada com a identificação e o ponto
riscado da Casa.

Art. 23º – É de responsabilidade do membro providenciar o seu traje de
Umbanda e Quimbanda, conforme modelo adotado pela casa, nas suas cores e
determinações afins, não sendo permitidas modificações em suas modelagens.

Art. 24º – Inicialmente, o uniforme a ser usado pelos médiuns novos será calça
e camiseta branca, ficando ao encargo da zeladoria e do guia feitor definir
quando o médium poderá fazer o uniforme oficial.

Art. 25º – Os bordados dos uniformes, panos, sacos de guias e demais utensílios
serão providenciados pela Casa, ficando o membro responsável pelo pagamento
dos mesmos.

Art. 26º – Em caso de desligamento ou abandono desta Tenda, o membro deverá
deixar na casa seus uniformes completos de Umbanda e Quimbanda, sacos de
guias e quaisquer paramentos que contenham o ponto riscado da TUOD,
inclusive a camiseta polo fornecida pelo terreiro, sem ressarcimento dos valores
pagos.

Art. 27º – Todo membro deverá manter suas vestes litúrgicas lavadas e
defumadas para todos os trabalhos, evitando o esquecimento das mesmas e
lavagem nos dias que antecedem os trabalhos.

Art. 28º – Sendo a TUOD uma casa de caridade, sem fins lucrativos, será
solicitado, aos membros, o auxílio para reposição de elementos utilizados em
cultos (charutos, bebidas, grãos, ervas, cigarros, etc.) para a realização dos
trabalhos, através do rateio mensal, sendo que tal qual as mensalidades, serão
fixados e ou reajustados pelo Conselho Diretor, conforme já explicado acima.

CAPITULO V

DOS TRABALHOS / CULTOS / SESSÕES:

Art. 29º – Os cultos (Giras) serão realizados “quinzenalmente”, com início às
18h00min, salvo deliberação do Conselho Diretor em sentido contrário, quando
então será comunicado aos médiuns acerca da nova orientação sobre o tema.
Parágrafo único: A definição de horários dos cultos/sessões não poderá ser
modificada sem prévio aviso ou comunicado interno.

Art. 30º – É exigida a chegada à Tenda com antecedência mínima de 40 minutos
antes dos inicios dos trabalhos para a devida preparação e paramentação.

Parágrafo 1º – O horário máximo para “bater cabeça” e demais saudações
ritualísticas será até 16h40m, cientes que as mulheres deverão bater cabeça
antes dos homens, tendo preferência total os cambones, conforme já consta da
orientação da Casa. Após o término de doutrina/reunião/conversa não será
mais permitido as batidas de cabeça e demais cumprimentos.

Parágrafo 2º – Após ter feito todos os procedimentos e pronto para o trabalho,
não será permitido ao médium ficar transitando e se movimentando pelas
dependências da casa, sendo que o médium deverá procurar sua posição de
corrente e permanecer em silêncio buscando sua concentração.

Art. 31º – A introdução de qualquer pessoa da assistência para dentro do
terreiro durante o trabalho (culto / sessão) deverá ser permitida e autorizada
pela zeladoria ou pela entidade condutora dos trabalhos, sendo esta norma
desrespeitada, caberá aos cambones de culto, as devidas explicações.

Art. 32º – Não é permitido atendimento, passe ou qualquer tipo de trabalho
antes ou depois do culto sem autorização da Zeladoria da Casa, comprovada a
necessidade.

Art. 33º – Não será permitido o ingresso no culto sem vestimenta adequada,
dentro dos padrões da casa.

Art. 34º – O culto é momento de paz, alegria e concentração, portanto deverá o
membro, sempre que possível, vir nas mesmas condições de paz e harmonia
para se afinizar com os trabalhos a serem realizados.

Art. 35º – É exigido respeito mútuo entre membros, lembrando que para ótica
astral somos todos iguais indiferentes de grau hierárquico.

Art. 36º – Em caso de impedimento ou impossibilidade de qualquer cunho, o
médium deverá comunicar a zeladoria de suas condições físicas ou psíquicas
antes do início dos trabalhos.

Art. 37º – Em caso de qualquer problema de cunho espiritual ou físico após o
término da sessão, o Guia Chefe dos trabalhos determinará a permanência, ou
não, dos médiuns, que deverão continuar vestidos e espiritualmente preparados
para serem utilizados para as necessidades, não podendo se retirar sem
autorização da Zeladoria ou da Entidade manifestada.

Art. 38º – Visitantes deverão ser tratados com total respeito dentro de seu grau
evolutivo, assim como visitantes da assistência também precisam ser bem
tratados, afinal somos todos irmãos para o plano espiritual.

CAPITULO VI

DAS PROIBIÇÕES:

Art. 39º – É proibido fumar nas dependências do terreiro, antes, durante e após
os trabalhos.

Art. 40º – É proibido frequentar terreiros alheios sem a presença ou
consentimento da zeladoria em qualquer ocasião, sendo esta considerada falta
gravíssima.

Art. 41º – Não é permitido o uso de celulares, maquinas fotográficas e
filmadoras dentro do terreiro sendo permitido apenas com prévia autorização
da zeladoria e do guia chefe da casa.

Art. 42º – Não serão toleradas ausências nas reuniões, trabalhos, cultos ou
doutrinas e demais eventos sem prévia justificativa.
Parágrafo Único – Somente serão toleradas ausências em festividades e datas
especiais de nosso calendário por motivos de enfermidade pessoal que lhe
impossibilite a presença, por motivo de trabalho comprovado, ou situação que
justifique a ausência, mediante Atestado de Saúde ou Declaração da Empresa,
devendo a Casa ser comunicada com antecedência. Qualquer outro motivo
gerará suspensão automática do próximo culto.

Art. 43º – Não serão aceitas, em hipótese alguma, brigas, desentendimentos ou
discussões dentro das dependências do terreiro.

Art. 44º – É vedada qualquer tipo de conversa com a assistência durante o culto
ou trabalho, entendendo a casa que não existe a menor necessidade de existir
conversas paralelas com quem está na assistência.
Parágrafo único: Não serão permitidos trabalhos, atendimentos, consultas ou
passes em residência do próprio médium sem autorização ou conhecimento da
zeladoria, indiferentemente de grau hierárquico, contando para a casa como
falta gravíssima sujeita a punição da alínea “D” do artigo 54 deste regimento.

Art. 45º – É vedada qualquer tipo de defumação, limpeza, banho ou qualquer
outro ritual em sua casa ou seu corpo físico sem averiguação e comprovada
necessidade diagnosticada pela casa.
Parágrafo único: A chamada “automedicação espiritual” poderá ser prejudicial
a qualquer pessoa, não devendo o médium exercer este método em hipótese
alguma.

Art. 46º – É vedado qualquer tipo de discriminação sobre qualquer tema, indo
contra a doutrina espírita e infringindo a legislação penal vigente em nosso País.

Art. 47º – O médium que for trabalhar com entidades masculinas e femininas
deverá pedir licença para troca de roupas, evitando o constrangimento para a
assistência durante os trabalhos.

Art. 48º – É vedada dentro do terreiro, pessoas com vestimentas inadequadas
para a ocasião, mesmo na assistência, sendo na primeira vez advertida
verbalmente e em caso de reincidência será convidada a retirar-se, evitando
assim problemas não condizentes com o fim social.

Art. 49º – Não será permitido o uso de guias, roupas, paramentos e quaisquer
objetos ritualísticos utilizados ou ganhos em outra casa, salvo após a permissão
concedida pelo guia chefe da casa.

Art. 50º – É proibido em dias de festividades ou eventos especiais, o uso de
roupas que não sejam especificadas pela zeladoria.

Art. 50º – É proibida a troca de material didático e qualquer tipo de encartes,
publicações, apostilas de caráter espirita com pessoas, membros ou
frequentadores de outras casas, configurando tal conduta Falta Gravíssima.

Art. 51º – É proibido o uso de cigarros, charutos, bebidas e afins fora de
trabalhos e ou por médiuns iniciantes sem a prévia autorização do guia-chefe,
assim como qualquer espécie de paramento ritualístico sem comprovada
necessidade astral.

Art. 52º – Não será permitido nos cultos de Umbanda nenhum tipo de
maquiagem, batom, esmalte, gel de cabelo ou perfumes de tipo alheio a
Umbanda, sendo os mesmos permitidos apenas nos cultos de Quimbanda.
Parágrafo Único: É de cunho obrigatório a retirada de todo e qualquer
paramento usado nos giras de Quimbanda, ficando ao término do gira “todas as
meninas” submetidas à vistoria das médiuns responsáveis pelo comportamental
para comprovação da retirada de sua maquiagem, batom e demais acessórios
ao término do gira.

Art. 53º – É proibida a troca ou empréstimo de roupas litúrgicas entre médiuns
da corrente, assim como qualquer paramento ritualístico.

Art. 54º – Aparência física, condição financeira, trejeitos, cacoetes,
insuficiências, arquétipo, opção sexual, etc., jamais poderão ser questionados
ou discriminatoriamente observados dentro da casa, pois, não está em
conformidade com o comportamento mediúnico.

Art. 55º – É vedado aos médiuns menores de 18 (dezoito anos), em gira ou
fora dele o consumo de bebidas alcoólicas.
Parágrafo Único: A TENDA DE UMBANDA OGUM DELÊ não incentiva nem
fomenta o uso de bebidas alcoólicas fora das situações de culto, sendo que nos
casos de consumo de álcool em dias de gira, a Casa não se responsabiliza por
quaisquer situações que possam decorrer do consumo do mesmo,
especialmente em relação ao delito elencado no Art. 165 da Lei 9.503/97 (Código
de Trânsito Brasileiro), conforme Declaração a ser preenchida pelo médium.

Art. 56º – Os médiuns concordam e autorizam a divulgação de sua imagem
em fotos e vídeos efetuados dentro de nossa Casa, seja na mídia eletrônica ou
em encartes, jornais, revistas ou qualquer outro meio de publicidade lícita, em
consonância às atividades fins de nossa Religião e Casa, sem direito a
indenizações de qualquer tipo.

CAPITULO VII

DAS SANÇÕES:

Art. 57º – Aos transgressores das normas citadas neste regimento, serão
aplicadas punições na forma do artigo 11 do Estatuto da TUOD, levando-se em
conta a gravidade da infração, assim definidas:

a) Advertência verbal.
b) Advertência por escrito.
c) Suspensão dos trabalhos conforme entendimento do Zelador ou Guia Chefe
da Casa.
d) Exclusão da Casa.
Parágrafo primeiro: O Conselho de Ética deverá amparar o Zelador com
informações úteis à solução do ato infracional praticado pelo membro da Casa,
seja no sentido de evidenciar a responsabilidade, seja no sentido de isenta-lo de
culpa.
Parágrafo segundo: No caso de infrações contra este Regimento ou contra o
Estatuto, caberá direito de defesa (explicação) na forma do Estatuto.

Art. 58º – Qualquer assunto não previsto no Estatuto ou nesse Regimento será
resolvido pelo Conselho Consultivo e de Ética Disciplinar, com a palavra final
do Conselho Diretor.

CAPITULO VIII

DOS DEVERES:

Art. 59º – Manter, dentro e fora da Tenda, na vida espiritual ou religiosa
particular, conduta irrepreensível de modo a não suscitar críticas, pois qualquer
deslize neste sentido irá refletir na sua Tenda e até mesmo na Umbanda de
modo geral.

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A MODIFICAÇÃO, ADULTERAÇÃO,
TRANSGRESSÃO, O COMPARTILHAMENTO COM OUTRAS CASAS,
A DIFUSÃO E REPASSE DESSE REGIMENTO, DO ESTATUTO, BEM
COMO QUALQUER MATERIAL DA TUOD A PESSOAS NÃO
PERTENCENTES A NOSSA CASA – QUALQUER ATO NESSE
SENTIDO SERÁ CONSIDERADO TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR.