XANGÔ
O PODEROSO REI

Xangô, também conhecido como Sangó, é um dos Orixás mais populares no Brasil e preza pela justiça e pelo fogo. Também é charmoso, sensual e gosta muito de prazeres. Por isso, teve três esposas: Iansã, Oxum e Obá. Sentimento de derrota é uma coisa que não existe em sua personalidade. Apesar de ser famoso por sua ação repressiva e autoritária, consegue distinguir entre o bem e o mal.

Os Raios e trovões são suas armas, que envia como castigo a quem age de maneira contrária a seus princípios de justiça, mais também trás consigo grandes cargas elétricas e o poder do fogo. Os filhos de Xangô são justos e odeiam a mentira e a falsidade.

Xangô nasce do poder e morre em nome do poder. Rei absoluto, forte e imbatível. O prazer de Xangô é o poder. Xangô manda nos poderosos, manda em seu reino e nos reinos vizinhos. Xangô é rei entre todos os reis. Não existe uma hierarquia entre os orixás, nenhum possui mais axé que o outro, apenas Oxalá, que representa o patriarca da religião e é o orixá mais velho.

Contudo, se preciso fosse escolher um orixá todo-poderoso, quem, senão Xangô… O trono de Òyó já pertencia a Xangô por direito, pois seu pai foi o fundador da cidade. Xangô é o rei que não aceita contestação, todos sabem de seus méritos e reconhecem seu poder, Xangô foi o grande alafim de Òyo porque soube inspirar responsabilidade e poder aos seus súbditos, tomou as decisões mais inteligentes e sábias e, sobretudo, por seu senso de justiça muito apurado. Xangô é viril e potente, violento e justiceiro, castiga os mentirosos, os ladrões e os malfeitores. Identificado no jogo de búzios pelos odús Obará e Ejilaxebora…

Foi ele quem criou o culto de Egungun, sendo ele o único Orixá que exerce poder sobre os mortos. Xangô é a roupa da morte, por este motivo não deve faltar nos Egbòs de Ikù e Egun, o vermelho que lhe pertence. Ao se manifestar nos Candomblés , não deve faltar em sua vestimenta uma espécie de saias curtas, com cores variadas e fortes, que representam as vestes dos Eguns.

Enquanto Oxóssi é considerado o rei da nação de Queto, Xangô é considerado o rei de todo o povo iorubá. Orixá do fogo, dos raios e das tempestades, Xangô foi um grande rei que unificou todo um povo. Foi ele quem criou o culto de Egungun.

Os Edun Ará nome dado às pedras de raio lançadas por Xangô e profundamente enterradas no local onde o solo foi atingido são colocados sobre um pilão de madeira esculpido, odô, consagrado a Xangô, pois essas pedras são consideradas emanações de Xangô e contém o seu axé e o seu poder. O sangue dos animais sacrificados é derramado, em parte, sobre suas pedras de raio para manter-lhe a força e a potência. Além do sacrifício animal, também lhe é oferecido Amalá, iguaria preparada, com farinha de inhame regada com um molho feito com quiabos e rabada bovina. É extremamente proibido oferecer-lhe feijões brancos da espécie Sesé. Todas as pessoas que lhe são consagradas estão sujeita à mesma proibição.

O emblema de Xangô é o duplo machado estilizado, Oxê, que os seus iniciados trazem na mão quando em transe, e o chocalho, chamado Xeré, feito de uma cabeça alongada, contendo pequenos grãos, é sacudido em honra a Xangô.

Saudação: Kawó-Kabiesilé (forma com que os Orixas são reverenciados);
Cores: Vermelho e Branco ou Vermelho e Marrom ou Marrom e Preto ou Marrom e Branco ou somente Marrom ou vermelho.As cores representam os Orixás, e podem variar segundo a linha religiosa;
Dia: Quarta-Feira;
Elementos: Fogo, Vulcões, Tempestades, Sol, Trovões, Terremotos, Raios, criador do Culto de Egungun, senhor dos mortos, desertos e formações rochosas;
Elemento Livro: os livros representam Xangô porque este orixá está ligado as questões da razão, do conhecimento e do intelecto. Bem como a Justiça e o Direito;
Ferramenta: Oxê, machado duplo de dois cortes laterais feito e esculpido em madeira ou metal;
Pedra: Meteorito;
Domínios: Justiça, Poder Estatal, Questões Jurídicas, Pedreiras;
Oferendas: Amalá, cágado, carneiro, e algumas vezes cabrito. Gosta de Orobô, mas recusa Obi (noz de cola), ao contrário dos demais Orixás;
Dança: Alujá, a roda de Xangô. São vários toques que falam de suas conquistas, seus feitos, suas mulheres e seu poder e domínio como Orixá.
Animais associados a Xangô: Tartaruga, Falcão, Águia, Carneiro e Leão.